Bett Educar Online supera expectativas e marca nova data

Evento virtual reuniu 20 especialistas em educação, gerou 12 horas de conteúdo e alcançou mais de 60 mil pessoas em suas plataformas online. Novo encontro acontecerá nos dias 23 e 24 de junho, também pela internet Realizado nos dias 12, 13 e 14 de maio, o primeiro Bett Educar - Encontro Online entregou mais de 12 horas de conteúdo para o meio acadêmico, em meio à pandemia do novo coronavírus. Foram nove palestras virtuais com a participação de 20 renomados palestrantes. O evento remoto alcançou mais de 60 mil pessoas em suas plataformas online somente nas redes sociais. Com isso, mesmo durante o afastamento social, a Bett Educar compreendeu que era o momento de ruptura, e criou mais uma oportunidade para a comunidade educacional e se reinventar com inovação para disseminar conhecimentos. O próximo Bett Educar - Encontro Online será realizado dias 23 e 24 de junho. A programação será anunciada em breve. Claudia Valério, diretora da Bett Educar, afirma o encontro online surgiu da necessidade em manter as discussões sobre a educação por meio dos canais digitais, para compartilhar conhecimentos e diferentes pontos de vista para inspirar. “Esse modelo de evento virtual não substituiu o nosso presencial, mas foi uma maneira para seguir contribuindo com o segmento educacional, trazendo reflexões pertinentes para esse momento crítico e também com análises para o pós-pandemia.” Na opinião de Alice Carraturi, diretora de Conteúdo da Bett Educar, o evento superou as expectativas e reuniu o segmento educacional em um novo ponto de encontro, agora virtual. “Em um momento com tantas dúvidas, conseguimos extrair boas análises, apresentar discussões e soluções que podem dar um norte aos participantes. Foi uma maneira de nos adaptarmos aos novos desafios e aprendizados.” Por sua vez, o Embaixador da Bett Educar e Secretário de Educação do Estado de São Paulo, Rossieli Soares, destacou a adaptação por meio das diversas plataformas de online, o que já tem acontecido nas escola e instituições de ensino Brasil afora. “A tecnologia na educação não vai substituir o presencial, mas será preciso olhar como mais uma ferramenta, com suas oportunidades e desafios.” As palestras, gravadas, estão disponíveis no site da Bett Educar e em suas plataformas virtuais. Ao reunir especialistas e entidades educacionais de diversas regiões do Brasil, o Encontro Online apresentou temas relevantes para o atual momento de isolamento social e interrupção das atividades educacionais em todos país e tornou-se ainda mais um ponto de convergência para os educadores, mantendo a mesma apurada curadoria do evento presencial. Foram levantadas dúvidas como a implementação da continuidade das atividades escolares executadas pela gestão pública. Para o presidente da Undime Nacional, Luiz Miguel Martins Garcia, um dos centros da questão é a capacidade de chegar aos estudantes. “Em primeiro lugar, é preciso um acesso democrático à internet, assim como entender que a tecnologia não vai engolir o papel do professor, mas sim ser uma aliada para que ele continue sendo o grande maestro de sonhos e aprendizagem”. Na mesma linha de raciocínio, Maria Cecilia Amendola da Motta, Presidente do Conselho Nacional de Secretários de Educação (Consed), disse que para ter uma educação de qualidade para todos precisamos de conectividade: “A conexão é uma ferramenta que pode mudar as políticas públicas educacionais do país, para que se possa trabalhar também com equidade”. Para os docentes e para o setor educacional, outro tema importante que permeou diversas discussões do encontro online foi a formação dos professores e as mudanças necessárias para a pós-pandemia. Para a professora Débora Garofalo, gestora de tecnologia da Secretaria de Educação do Estado de São Paulo, este momento é de aprendizado, sobretudo de que a formação precisa ser reinventada. “A tecnologia não pode ficar fora da sala de aula, desde que acompanhada de domínio de metodologias ativas e novas formas de conceber a aprendizagem”, disse a educadora, que foi a primeira brasileira finalista do Global Teacher Prize, considerado o Nobel da Educação. Alexandre Schneider, educador, ex-secretário municipal de educação de São Paulo e atualmente Professor Assistente Adjunto de Assuntos Internacionais e Públicos da Columbia University, apontou os desafios futuros, que incluem também o emocional dos alunos e dos professores, que serão afetados por todos os revezes que uma pandemia traz. “Todos deverão estar preparados para a construção de um ambiente que será diferente, e a tecnologia será parte da nossa realidade. A formação do professor não será para usar plataformas digitais, mas essencialmente para o que ela exige para a construção da sala de aula, do projeto e sequência didática do professor”. Para além do conteúdo e do currículo, o pós-pandemia trará ainda a exigência de outras formas de agrupamento, de novos hábitos, atitudes e modelos para as escolas, como relatou Maria Helena Guimarães, Embaixadora do PISA para Escolas no Brasil e Conselheira do CNE. “As escolas deverão planejar cuidadosamente o retorno às aulas presenciais, incluir em seus planejamentos aspectos sanitários, de distanciamento, de higiene, do uso de máscara e álcool em gel, com um número menor de alunos por sala de aula, além de avaliar aspectos sociemocionais dos alunos, dos professores, pais, entre outros entes educacionais”. #educação #tecnologia #inovação #educador21 #betteducar #betteducarencontroonline